De acordo com pesquisa da Trata Brasil divulgada recentemente, em 2017 o Brasil perdeu mais de 7 mil piscinas olímpicas de água potável todos os dias por meio de vazamentos nas tubulações, erros de leituras de hidrômetros, roubos, fraudes e “gatos”. A média de perdas nacional é de 38,29% e de 36% na região Sul. Já o índice em Camboriú é bem menor – no primeiro semestre de 2019 foi de 26,7%.

O presidente da Águas de Camboriú, Carlos Roma Jr., aponta que o índice reflete o trabalho que tem sido realizado pela concessionária na cidade, que compreende a verificação de ligações clandestinas e troca de hidrômetros. Porém, o principal foco tem sido a questão dos vazamentos. Além da troca de tubulações, as ações envolvem o controle de pressões por meio do Centro de Controle Operacional (CCO). Em funcionamento 24 horas por dia, o CCO possui indicadores de vazão e pressão em toda a cidade, o que permite verificar com mais rapidez alterações decorrentes de vazamentos.

A tecnologia colabora com a redução de perdas também no trabalho de campo. As equipes da Águas de Camboriú utilizam o geofone, equipamento que permite localizar os chamados vazamentos ocultos (que ficam abaixo do solo). O geofone identifica ruídos através de um sensor que fica apoiado no chão e, com o amplificador em mãos, transforma-se em intensidade.

O presidente da concessionária ressalta que o objetivo é seguir reduzindo as perdas de água tratada – importante para melhorar o abastecimento e também para o meio ambiente, com o uso adequado da água. A população também pode colaborar: “Ao verificar um vazamento na sua rua ou em algum outro local da cidade, o morador nos ajuda muito ao entrar em contato com as centrais de atendimento. Assim, podemos fazer o reparo de forma mais rápida”, explica Roma. O contato pode ser feito pelo telefone 0800 595 4444 (24 horas) ou mensagens para o WhatsApp (47) 99234 1414 (das 7 às 21 horas).