A diretoria da concessionária Águas de Camboriú reafirmou nesta segunda-feira, dia 14, em reunião na Câmara de Vereadores, a disposição em construir um sistema próprio de captação e tratamento de água para  Camboriú. A reunião para discutir alternativas para o sistema de tratamento de água foi no Legislativo e contou com a participação do vice-prefeito de Camboriú, Ramon Jacob, representantes da Associação Empresarial de Balneário Camboriú e Camboriú (Acibalc), OAB, Sindicato Rural, CDL, Instituto Federal Catarinense (IFC), Associação de Micro e Pequenas Empresas e Empreendedores Individuais de Balneário Camboriú (AMPE) e Sinduscon.

A construção de um sistema de captação e tratamento de água próprio está previsto no contrato de concessão. De acordo com o presidente da Águas de Camboriú, Carlos Roma Júnior, a concessionária aguarda  a manifestação de concordância  do poder concedente determinando o local para a construção da Estação de Tratamento de Água (ETA). No domingo, Roma esteve reunido com o prefeito de Camboriú, Elcio Kuhnen, e o presidente da Câmara de Vereadores, Zeca Simas, quando reforçou a importância da indicação da área e que seja dada entrada no pedido de Licença Ambiental Prévia (LAP) junto ao Instituto de Meio Ambiente (IMA) para a realização das obras. “Nós estamos aqui para cumprir todas as cláusulas do contrato e temos conversado com o prefeito, que está ciente das necessidades do município”, acrescentou Roma.

A concessionária também garantiu que tem todo o interesse em implantar um sistema de tratamento de esgoto no município. Na reunião do Legislativo, ficou definido que os vereadores vão apresentar ao prefeito um documento apoiando  a decisão da definição da área para a construção da ETA. O entendimento do Legislativo é de que o município deve solicitar  à concessionária a construção do sistema de tratamento de água de Camboriú. Os vereadores defendem também o equilíbrio na distribuição, por parte da concessionária municipal de Balneário Camboriú, entre as duas cidades para que Camboriú não enfrente picos de desabastecimento durante os períodos de estiagem. Pelo contrato de concessão, todos os investimentos que a concessionária realizar em Camboriú ficam para o município.